A quimera

A quimera
Minha última quimera!

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

A máquina de escrever

Mãe se eu morrer de um repentino mal vende os meus bens,a bens dos meus credores..
A fantasia de festivas cores que usei, no derradeiro carnaval..
Vende esse radio que ganhei de prêmio por um concurso num jornal do povo...
E aquele terno novo ou quase novo, com poucas manchas de café boêmio..
Vende também meus óculos antigos que me davam ares inocentes, não precisarei de suas lentes pra enxergar os corações amigos..
Sem ruído é mais próvavel que eu alcance o céu, vou penetrar e então provar seu mel. No paraíso só preciso de um olhar sem teu sorriso outro sorriso pra me enganar!
Mais poupa minha amiga de horas mortas, com teclas bambas minha maquina de peças tortas! Vende todas as grandes pequenezas que eram meu intimo tesouro.. Mais não ainda que ofereçam ouro, mais não ainda que ofereçam ouro, não venda o meu filtro de tristezas!

(FREJAT)

8 comentários:

  1. Baixe essa canção:

    http://www.4shared.com/get/HbKYBWtd/A_mquina_de_escrever-Baro_Verm.html

    ResponderExcluir
  2. "...Mais não ainda que ofereçam ouro, mais não ainda que ofereçam ouro, não venda o meu filtro de tristezas!"

    ResponderExcluir
  3. ATENÇÃO: Procura-se uma máquina de escrever...recompensa... uma poesia... e um afago.

    ResponderExcluir
  4. Me apaixonei por essa imagem e sem querer tropecei em suas palavras e quando me dei conta estava tomado por sua poesia.

    ResponderExcluir
  5. Caso queira conhecer um pouco de meu trabalho.
    http://novaperpectiva.blogspot.com/2011/11/natureza-contemporanea.html
    seria um prazer ter a sua opinião.
    Att. Wesley Neres

    ResponderExcluir
  6. Uma linda música,pena que poucos conhecem...

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget

Total de visualizações de página

Videos

Loading...

Músicas